Você ou o seu chefe é um líder tóxico?

Posted by Ricardo Piovan on julho 11, 2012
Artigos / 1 Comment

Tenho utilizado no meu treinamento, Liderança Assertiva – O Líder Completo, dados que a revista Você S/A publicou numa matéria intitulada: “Como lidar com chefes tóxicos”.

A reportagem traz de forma brilhante as características dos líderes tóxicos, aqueles chefes que apesar de algumas vezes promoverem resultados não se preocupam com a forma para alcançar estes resultados, perdendo talentos e muitas vezes não extraindo o máximo que seus liderados podem render em suas atividades.

Seguem as características do líder tóxico apresentada pela revista assim como alguns comentários:

1. Ele nega com atitudes os valores da empresa – Sabe aquela plaquinha ( missão, valores e visão ) que normalmente fica na recepção da empresa ? Lá estão os valores da companhia e o líder tóxico nega aquelas frases com suas atitudes e comportamentos no dia a dia.

2. Ele desconhece o limite entre a pressão por resultados e falta de respeito – Busca por resultados é uma coisa, gritar, ironizar e chamar a atenção na frente de outras pessoas é outra coisa completamente diferente. Respeito e caráter são elementos essenciais na liderança.

3. A ele falta a capacidade de inspirar e motivar os seus liderados– Um chefe simplesmente manda seu liderado fazer, um líder antes de mandar, inspira e motiva o seu liderado, mostrando o que deve ser feito e porque deve ser feito, isto é, lhe dá um propósito.

4. Ele vai atrás do resultado certo da forma errada – Algumas vezes (nem sempre) o chefe tóxico consegue o resultado a curto prazo, mas as suas atitudes desmotivam seus liderados a conseguirem os mesmos resultados para a próxima missão. Um líder autoritário sempre consegue resultados à curto prazo. À médio e longo prazo os resultados simplesmente desaparecem.

Caso você seja um líder e preocupou-se com as questões acima, saiba que é possível verificar se você tem ou não a liderança tóxica. Solicite feedbacks de seus liderados, questionando-os sobre os seus comportamentos como líder. Lembre-se que de acordo com Freud e Jung as pessoas se percebem em apenas 10%, isto é, 90% das nossas atitudes diárias não são percebidas e consequentemente não controladas.

Por Ricardo Piovan – Palestrante e Coach Organizacional
Facebook: https://www.facebook.com/ricardopiovan
Twitter: http://twitter.com/ricardopiovan

Tags: , ,

Como ser promovido na sua empresa

Posted by Ricardo Piovan on junho 27, 2012
Artigos / No Comments

Um funcionário do departamento financeiro de uma distribuidora de bebidas no sul do país notou que a empresa tinha gastos excessivos com deslocamento de seus refrigerantes de uma unidade para outra, onde o motivo principal era a falta de espaço nos galpões da matriz.

Por algumas tardes ele saia da sua sala com um poderoso ar condicionado e passeava pelos corredores do estoque questionando a si mesmo se não haveria uma forma mais eficaz de armazenar as garrafas e latinhas que ali estavam. Pesquisou e desenhou um novo formato de estocagem e apresentou para o seu diretor uma nova forma de alocar as mercadorias, aumentando em 18% a capacidade de armazenamento do galpão principal.

Para aparecer e tornar-se visível na empresa nada melhor do que mostrar melhorias e foi isto que este profissional que era responsável pelo contas a pagar fez. Não se limitou apenas a entrar no homebanking diariamente e pagar as faturas, ele cavou mais fundo e apresentou uma proposta que reduziu os custos de transportes entre unidades.

Os profissionais que estão fazendo o seu trabalho aparecer, não são diferentes de você, do seu vizinho de baia ou do seu chefe,  mas o que os distingue é o fato de partirem para a prática enquanto muita gente fica na teoria. Eles observam e vão além das suas tarefas diárias.

Muitos funcionários questionados sobre o que eles precisam fazer para serem promovidos respondem que se fizerem o seu trabalho bem feito e no tempo correto galgarão postos mais elevados na organização, mas acredito que isto não seja verdade pois para ascender na companhia você precisará fazer mais que o solicitado e apresentar resultados que vão além das suas tarefas.

Fica aqui a dica, SE QUISER APARECER MAIS, traga para a empresa muitas soluções boas, questionando continuamente como a empresa pode fazer o que ela faz de forma mais barata, mais rápida e com mais qualidade. Não tenha medo de errar e lembre-se que a diferença entre um profissional ordinário e extraordinário está no sufixo “EXTRA”

Você tem feito o EXTRA?

Tags: , ,

Os 5 principais erros dos líderes novatos

Posted by Ricardo Piovan on maio 25, 2012
Artigos / No Comments

Segundo pesquisa realizada pela consultoria de gestão de negócios e recursos humanos Kienbaum 85% dos líderes não possuem as competências necessárias para uma promoção imediata, mas com a alta demanda de líderes no mercado brasileiro as empresas estão promovendo os seus analistas despreparados para cargos de chefias e criando sérios problemas na gestão de pessoas.

O processo é o seguinte: O “maitre” do restaurante se aposenta ou foi embora, o dono do estabelecimento observa os seus garçons e pensa “o João é um ótimo garçom, vou promovê-lo para maitre”. Mas no final da história a casa perde um ótimo garçom e ganha um péssimo “maitre”, pois o João não estava preparado para este novo desafio.

Em meu treinamento Liderança Assertiva – O Líder Completo, apresento cinco erros básico que líderes novatos cometem em sua nova empreitada, vamos a eles:

Não focar nas pessoas: Jovens líderes tendem a generalizar a gestão, isto é tratam os seus liderados como “bando” não se atentando que cada um deles é diferente e ele deve tratá-los de forma diferente. Não o diferente de privilégio, mas sim em suas necessidades. O líder deve questionar sempre: O que posso servir a este liderado para ele servir melhor o cliente ou executar melhor o seu trabalho.

Descuidar-se da comunicação: Quando o líder novato fala algo para os seus liderados, ele não se certifica se eles compreenderam corretamente a missão, pois ele provavelmente é uma pessoa que entende com mais facilidade as coisas e acha que os seus liderados são iguais a ele. Muitas pessoas têm dificuldade em compreender na totalidade o que lhe é passado, portanto o líder precisa se certificar que a pessoa entendeu a mensagem. Faça duas perguntas sobre o enunciado, se a pessoa não responder corretamente, inicie novamente o processo de comunicação.

Continuar a ser um colega: Um líder novo pode polarizar entre a arrogância de se achar superior e começar a cometer excessos ou comportar-se com condescendência, pois fica com medo de perder a amizade daqueles que, eram seus pares. Agora o líder tem uma relação de poder com a equipe e precisará cobrar efetivamente as tarefas tanto servindo os seus liderados como exigindo resultados, obviamente tomando cuidados com as palavras e tom de voz.

Não dar feedback: Este é um problema que não pertence apenas aos novatos. Uma pesquisa aponta que 90% dos líderes não utilizam corretamente esta ferramenta, ou não aplicando feedbacks ou fazendo-o de forma errada. Saiba que um bom feedback tem quatro pontos a serem observados ( resultado, comportamento, plano de ação e monitoramento ), se você não focar em algum destes pontos o seu feedback não será efetivo.

Não delegar: Pessoas que acabaram de conquistar posição de liderança ainda pensam como liderados e não delegam as tarefas para as outras pessoas, muitos pensam da seguinte forma “ninguém faz tão rápido e bem feito como eu faço“, então ele continua fazendo e sendo um operacional. Agora ele é um gestor de pessoas que às vezes operacionaliza, mas isto é exceção e não uma regra.

Se você se identificou com alguns dos erros acima sugiro que você conjugue o verbo aprender; talvez a se desprender de ser um operacional e se prender a ser um gestor de pessoas que não executa tarefas e sim conduz a sua equipe a uma execução assertiva.

Tags: , ,

Problemas no Trabalho? Pare de falar e resolva!

Posted by Ricardo Piovan on maio 07, 2012
Artigos / No Comments

Venho ressaltando em meus textos e palestras de que a reclamação é um dos comportamentos que mais demitem as pessoas. Isto mesmo, a atitude daquelas pessoas que quando ficam insatisfeitas com algo na empresa são abduzidas pelo sentimento da RAIVA  e ao invés de conduzir esta energia ao cérebro para gerar soluções que resolvam seus problemas, elas levam esta energia para os músculos da boca e iniciam o processo da reclamação pelos corredores das organizações.

A RAIVA é o sentimento secundário dos “reclamões”, na verdade isto é uma máscara, pois o sentimento primário (real) é o MEDO. Isto mesmo, estas pessoas são na verdade grandes MEDROSOS, pois eles morrem de medo de tomar algumas decisões para resolver aquilo que ele está sofrendo e trilhar caminhos desconhecidos.

Vamos analisar alguns casos:

1- O meu chefe é uma pessoa muito crítica, que a todo o momento me chama atenção e muitas vezes na frente de outras pessoas.

Sentimento secundário:  Fico com RAIVA e reclamo dele para os meus colegas

Sentimento primário: Medo de demitir o meu chefe e não conseguir um novo trabalho a altura

2- Meus funcionários  não dão o resultado esperado na execução das suas tarefas;

Sentimento secundário:  Fico com RAIVA e reclamo deles para o meu diretor

Sentimento primário: Morro de MEDO de buscar conhecimentos de liderança, pois posso descobrir que o erro na verdade é meu.

3- Não consigo bater as minhas metas de vendas

Sentimento secundário: Fico com RAIVA dos clientes, do governo e da concorrência e digo que eles são culpados pelo meu fracasso.

Sentimento primário: Fico com MEDO de buscar ajuda dos vendedores que mesmo num panorama de concorrência dão muitos resultados, pois eles podem me achar inferior.

O mais interessante de tudo isto é que há uma solução para estas situações, e ela está numa frase de Walt Disney onde ele diz: “Para resolver algo, pare de falar e entre em ação”. O problema é que a maioria das pessoas tem o sentimento primário do MEDO de entrar em ação e paralisam não resolvendo aquilo que tem que se resolver.

Se você conhece alguém assim – ou se você mesmo se percebe neste processo – quero disponibilizar uma parte do quarto capítulo do meu livro Resiliência – Como Superar Pressões e Adversidades no Trabalho, onde destaco um método para resolver problemas profissionais e pessoais. Os 4 passos que apresento no livro eu tomei empresado por algumas figuras emblemáticas como Aristóteles, Dale Carnegie e Peter Drucker. Este último apresenta esta técnica num artigo intitulado “A decisão eficaz”.

Bom, não sei quanto a você, mas eu não costumo discutir com estas três figuras, eu simplesmente faço aquilo que eles orientam.

Tags: , ,

Otimismo: A sexta competência mais valorizada nas empresas

Posted by Ricardo Piovan on março 14, 2012
Artigos / No Comments

A consultoria McKinsey fez uma pesquisa com 140 executivos com o objetivo de mapear as características comportamentais mais valorizadas num profissional dentro da empresa, isto é, eles queriam descobrir quais as aptidões mais importantes para um profissional de sucesso, que conseqüentemente traz mais resultados para a organização.

Foram destacadas oito competências básicas, mas a que me chamou mais atenção foi o OTIMISMO.

Há muito tempo reservo alguns minutos para falar sobre esta característica em minhas palestras e treinamentos, pois não há dúvida nenhuma de que profissionais otimistas são muito mais produtivos do que os profissionais pessimistas.

O pessimista quando vê uma dificuldade ele simplesmente para ou age de uma forma mais lenta, pois não acredita que é possível entrar em ação, já o otimista vê a mesma situação e inicia uma busca incessante para resolver o problema, pois ele acredita que esta situação pode ser resolvida.

É como diz a velha frase: “Prefiro ser um otimista que às vezes erra, do que um pessimista que acerta sempre”.

Em meu livro Resiliência – Como superar pressões e dificuldades no trabalho conto a história de Robson Zinder um empresário que perde o seu supermercado num incêndio e vê todo um sonho ruído em chamas. Se Robson fosse um profissional pessimista provavelmente pararia ou andaria muito lento, mas ele é uma pessoa otimista, acredita que é possível reverter a situação e começa a organizar almoços para a sua rede de contatos com o intuito de arrecadar recursos para a reconstrução. Hoje, Robinho chega a agradecer o incêndio, pois reconstruiu o seu negócio deixando-o ainda maior e melhor.

Os otimistas sempre criam melhores soluções para resolver os problemas do trabalho, pois segundo um estudo da mesma consultoria McKinsey, o medo que surge com o pessimismo faz com que o cérebro crie apenas raciocínios de sobrevivência e não age para solucionar os problemas.

E você é uma pessoa mais pessimista ou otimista ? Você acredita que é possível reverter situações complexas ou paralisa mediante as adversidades no trabalho ?

Lembre-se da velha máxima em Programação NeuroLinguistica:

“Se você acha que pode, você está certo, se você acha que não pode você também está certo.”

Abraços e até a próxima.

Tags: , ,

Menos reclamação e mais ação nas empresas

Posted by Ricardo Piovan on novembro 25, 2011
Artigos / 3 Comments

Pesquisas demonstram que a reclamação é um dos principais comportamentos que mais demitem nas organizações brasileiras. Existem algumas pessoas que perante um problema ou uma pressão mais acentuada costumam utilizar a energia da raiva erroneamente, transferindo-a aos músculos da boca e começam a reclamar sem parar, culpando o chefe, o colega, a empresa e até mesmo o cliente (aquela pessoa que paga o salário do reclamador).

Na verdade o “reclamão” é uma pessoa MEDROSA, isto mesmo, o MEDO é que se apodera dela, mas como na nossa cultura mostrar medo é demonstrar fraqueza esta pessoa veste a máscara da RAIVA e inicia o processo de reclamação. Na verdade os “reclamões” têm MEDO de entrar em ação para resolver o problema, pois não tem competência para isto, ou até mesmo MEDO de pedir demissão e partir para outra, concorrendo com outros candidatos que com certeza são mais corajosos que ele.

Se você tem estes “reclamões” a sua volta darei duas sugestões para você ajudá-los a saírem deste estado que só atrapalha a carreira deles e a saúde da empresa:

1- Dê feedback: Como já falei em outros artigos as pessoas percebem apenas dez por cento daquilo que fazem no dia a dia, noventa por cento do que fazemos está no piloto automático. Dizer em claro e bom tom, demonstrando para a pessoa que enquanto ela reclama muita gente tem sucesso na empresa, você estará mostrando para ela os noventa por cento que ela não vê. Quanto mais pessoas disserem isto para ela, aumentam as chances dela aceitar e iniciar a mudança comportamental.

Mas caso esta opção não adiantar, temos uma segunda sugestão.

2- Afaste esta pessoa de você, para o bem dela e para o seu próprio bem: Na verdade o “reclamão” precisa de duas coisas: da boca dele e da orelha de alguém. Se você não dá ouvidos a esta pessoa ela não tem com quem reclamar e aumenta a chance dela fazer algo para mudar este processo. Afastar estas pessoas é bom para você também, pois muitas vezes ouvimos estas pessoas e também começamos a reclamar.

Sempre que apresento esta segunda opção nos meus treinamentos de inteligência emocional algumas pessoas pensam: “nossa e se eu durmo com um “reclamão” deste ?”. Sim, existem pessoas que acordam todos os dias com os “reclamões” de plantão.

É necessário compreender que quando reclamamos canalizamos nossas energias para o lugar errado, isto é, utilizamos a energia para produzir palavras que não fazem mudanças e sim que trazem mais problemas. No momento em que as coisas não estão indo de acordo com a nossa vontade é hora de entrar em ação respondendo uma simples pergunta:

– Se eu não tivesse medo, o que eu faria?

A resposta a esta pergunta é o que deveríamos ponderar, analisando os riscos, planejar e realizar, pois pode ser uma das soluções para mudar o que precisa ser mudado.

Finalizo o artigo compartilhando com você uma frase que conduz intensamente minha vida pessoal e profissional:

”Se você quer que algo aconteça, faça acontecer, não culpe os outros ou o destino pela sua falta de iniciativa e competência“

Abraços e até a próxima.

Tags: , ,

Brasil: 76% das pessoas estão infelizes no trabalho

Posted by Ricardo Piovan on novembro 24, 2011
Artigos / No Comments

Em 2008 concedi uma entrevista a uma grande rádio de São Paulo e na época eu disse que uma pesquisa nos Estados Unidos havia apontado que 80% dos americanos estavam infelizes no trabalho e que em minha opinião este número não seria muito diferente aqui no Brasil. Lembro-me que a repórter questionou estes números, com certa descrença de que eles seriam reais.

Mas uma pesquisa recente feita pela International Stress Management no Brasil (Isma-BR), realizada com pessoas de 25 a 60 anos demonstra que o meu “faro” não estava errado, pois entre os entrevistados,  76% das pessoas se sentem infelizes com sua vida profissional.

Num mundo extremamente competitivo de hoje, a tônica das empresas é conquistar cada vez mais resultados fazendo com que a pressão do dia a dia seja muito alta. Até este ponto é normal, pois qualquer empresa pressionará seus colaboradores a conquistar resultados.

O problema é a falta de habilidade dos gestores em conduzir este processo, pois a forma como eles tratam os seus liderados faz com que estes sofram criando a desmotivação.

Veja algumas atitudes do líder que promove a infelicidade dos seus colaboradores:

  • Ele nega com atitudes os valores da empresa
  • Ele desconhece o limite entre a pressão por resultados e falta de respeito
  • Ele desrespeita as pessoas no tom de voz e no discurso
  • Ele desrespeita as pessoas no excesso de centralização
  • Ele desrespeita as pessoas na sua incapacidade de fazer com que elas cresçam
  • A ele falta a capacidade de inspirar e motivar os seus liderados
  • Ele vai atrás do resultado certo da forma errada.

Como solução para este cenário vejo dois pontos que necessitam ser trabalhados: a primeira é a reciclagem destes líderes que na verdade comportam-se ainda como os velhos chefes de departamento; e a segunda é que os liderados busquem  o desenvolvimento da sua inteligência emocional para saber lidar com este processo de alta pressão com mais assertividade

Saiba que os 24% das pessoas que se consideram felizes no trabalho possuem dois pontos em comum: autoconfiança e objetivos claros e bem definidos para a sua vida profissional e pessoal.

Tags: , ,

Por que a maioria das avaliações de desempenho não funcionam?

Posted by Ricardo Piovan on setembro 30, 2011
Artigos / No Comments

Não quero abordar aqui a questão da qualidade de execução, e sim a sistemática utilizada pelas empresas.

Na maioria das empresas que vou apresentar meus treinamentos e serviços da minha consultoria percebo que muitos RHs trabalham nas avaliações de desempenho apenas a parte de competências, isto é, elegem de cinco a dez competências por cargos e iniciam o processo de avaliação deixando de lado outro fator tão importante quanto os resultados, isto é o alcance ou não das metas.

Não há dúvidas que medir as competências é importante, mas precisamos medir o quanto cada profissional vem atingindo suas metas dentro de um período. Estas metas são estabelecidas no formato “top in down”, isto é, as metas de um líder são divididas entre os seus liderados e cada um será avaliado o quanto conquistou seus resultados.

Normalmente avaliamos o eixo do resultado em três níveis:

  • Não atingiu a meta – o profissional não fez as entregas estabelecidas ou não as desenvolveu no prazo estabelecido.
  • Atingiu a meta – Entregou os resultados no tempo e na qualidade esperada
  • Superou a meta – Entregou os resultados no tempo, ou antes do tempo, mas com um nível de qualidade maior do que se esperava.

Este conceito é chamado de “nine blocks”, isto é avalia-se num eixo ( Y ) as competências de um profissional e num outro eixo ( X ) os resultados deste profissional. Cruzando os dois resultados a pessoa avaliada cai num dos nove blocos de um gráfico e quanto mais próximo ele estiver do bloco nove, mais talentoso é este profissional, onde deveremos tomar medidas de retenção deste grande funcionário. Quanto mais próximo ele estiver do bloco número um, mais crítico é a sua situação necessitando de um trabalho de recuperação ou até mesmo troca deste profissional.

Acredito que definindo as competências necessárias para cada cargo, assim como o estabelecimento de metas claras e desafiantes para cada profissional, após determinado período podemos avaliar de forma mais assertiva o quanto o profissional traz efetivamente resultados para a empresa que trabalha, assim como para a sua própria carreira.

Ricardo Piovan é palestrante e consultor organizacional. Diretor da Portal Fox, empresa especializada em consultoria organizacional, Coaching e treinamentos. Coordenador dos treinamentos Liderança Assertiva e Sprint Leader.

Tags: , ,

Você ou o seu chefe são um líder NUVEM?

Posted by Ricardo Piovan on agosto 09, 2011
Artigos / No Comments

Mês passado quando fiz o primeiro lançamento do meu mais novo livro (O Livro do Líder Completo), minutos antes de iniciar minha palestra dei uma olhada no facebook pelo smartfone e me deparei com a seguinte mensagem postada por uma pessoa:

“O meu líder é como uma nuvem, quando ele desaparece tudo fica mais claro.”

Na verdade este líder comentado na frase acima não é um líder, ele deve ser no máximo um chefe e provavelmente daqueles com um nível de autoritarismo insuportável.

Chefes na maioria das vezes apenas mandam fazer e normalmente com um tom de voz e palavras inadequadas, com isto eles não envolvem os seus funcionários na execução das tarefas, portanto estes sofrem na sua chefia.

Líderes antes de mandarem, inspiram, isto é, mostram com clareza o propósito da tarefa tanto para a organização quanto para o próprio liderado, apresentando para ele os benefícios pessoais e profissionais na execução de um trabalho bem feito. Acredite, quando o líder “gasta” um pouco mais de tempo demonstrando estes benefícios as pessoas se engajam muito mais e tendem a trabalhar com mais entusiasmo e energia, pois eles tem prazer em trabalhar com o seu líder.

Toda vez que o seu liderado sofre ao trabalhar com você ele o considera uma nuvem que ao ir embora deixa o ambiente mais tranquilo e mais prazeroso.

Quer conhecer um pouco mais a estratégia INSPIRAR, e com isto fazer com que os seus liderados se comprometam mais com o trabalho? Disponibilizo no link a seguir o primeiro capítulo do meu livro onde detalho mais esta estratégia: Acesse este link para download

Até a próxima.

Ricardo Piovan é palestrante e consultor organizacional. Diretor da Portal Fox, empresa especializada em consultoria organizacional, Coaching e treinamentos. Coordenador dos treinamentos Liderança Assertiva e Sprint Leader.

Tags: , ,

Você erra 100% dos chutes que você não dá

Posted by Ricardo Piovan on julho 24, 2011
Artigos / 1 Comment

A frase acima foi dita por um dos maiores empreendedores que já passou pela terra. Seu nome? Walt Disney.

Sempre reforço a afirmação acima em minhas palestras e treinamentos, pois muitos profissionais perdem grandes oportunidades pelo simples fato de não tentar, isto é, de não chutar a bola que está a sua frente, pois este chute lhe dá uma oportunidade de acerto.

Percebo nas empresas que muitas vezes as pessoas sabem o que deve ser feito, mas deixam o MEDO dominar e paralisam na adversidades ou a pressão que está a sua frente.

Gosto da seguinte parábola que exemplifica este processo:

Mediante ao cumprimento de uma grande meta, o líder desejou comemorar o fato presenteando seus liderados com uma sobremesa especial. O chefe chamou o AGUIAR, seu funcionário, e lhe deu a seguinte tarefa:

– Aguiar, por favor, vá até a feira e compre laranja, melão e pêssego, pois quero fazer uma grande salada de frutas como sobremesa para comemorar nosso sucesso.

Aguiar correu para a rua e foi até a feira e trinta minutos depois voltou ao seu líder e disse:

– Chefe, a laranja havia acabado, o melão está fora de época e o pêssego não estava com uma boa aparência. Achei melhor não comprar.

O líder um tanto frustrado, agradeceu o Aguiar e chamou Carlos, outro funcionário da empresa.

– Carlos, por favor, vá até a feira e compre laranja, melão e pêssego, pois quero fazer uma grande salada de frutas como sobremesa para comemorar nosso sucesso.

Note que foi pedido a Carlos a mesma coisa que foi solicitada a Aguiar, mesmo sabendo que haveriam os mesmos problemas ditos anteriormente.

Carlos correu para a rua e foi até a feira e trinta minutos depois voltou ao seu líder e disse:

– Chefe, a laranja havia acabado, o melão está fora de época e o pêssego não estava com uma boa aparência. Achei melhor não comprar. Mas ví que o abacaxi estava bom, o morango com ótimo preço e a banana muito apetitosa. Peguei o celular do feirante e caso o senhor aprove ligo para ele e solicito que entreguem para nós.

Esta é a diferença dos profissionais talentosos em relação aos profissionais comuns, eles chutam a bola correndo riscos calculados, enquanto outros são reativos e aguardam comandos, não trazendo resultados rápidos e efetivos.

Para aqueles que acham que apenas a empresa é beneficiada enganam-se, pois não tenha dúvida que na primeira oportunidade de crescimento na empresa Carlos será promovido, afinal de contas ele faz diferença na hora do resultado.

E você, tem chutado as bolas que estão na sua frente, ou deixado para outros chutar ?

Abraços e treinem a pontaria.

 

Ricardo Piovan é palestrante e consultor organizacional. Diretor da Portal Fox, empresa especializada em consultoria organizacional, Coaching e treinamentos. Coordenador dos treinamentos Liderança Assertiva e Sprint Leader.

Tags: , ,